Convívio Açoriano – Entrega Final (Felipe M, Elise, Jorge H.)

 

Anúncios

Conjunto Freguesia – Pranchas Finais: Aline P., Carolina R., Julia M.

O grupo ARAM 1 organizou os detalhamentos em pranchas para melhor compreensão do projeto: Pranchas Finais: Conjunto Freguesia.

Conjunto Freguesia – Aline P., Carolina R., Julia M.

Conjunto Habitacional Freguesia do Ribeirão – Aline P., Carolina Rios e Julia Milan

Conceito Geral

Localizado na Freguesia do Ribeirão da Ilha e entendendo a região como um dos núcleos polarizadores da cultura açoriana e da maricultura, o projeto-modelo seria implantado como resposta às necessidades de preservação da cultura açoriana, como também à demanda de residências para os trabalhadores envolvidos na atividade.

Conforme o crescimento evidente e desordenado da ilha, percebemos a necessidade de uma habitação que seja destinada aos atuais moradores e seus filhos, que como já percebemos, estão aos poucos perdendo suas casas para restaurantes e serviços que atendam ao turismo.

Desta forma, buscamos como alternativa para manter os moradores no local: incentivar sua atividade de maricultura através de um centro de especialização na área e um conjunto de habitação social que de suporte a estes moradores e demais participantes dos projetos oferecidos pelo centro. Estes serão temporários nas habitações e estariam numa espécie de intercambio morando nas unidades com intuito de aprendizado e vivencia da cultura local.

O centro de educação açoriana se localizará no horto florestal Antonio Antunes da Cruz. As unidades de habitação em um terreno que está logo atrás da igrejinha e praça principal do bairro, tendo acesso pela servidão Irani Antunes da Cruz. Interligando o centro ao conjunto teremos um parque linear que criará uma extensão do horto florestal, passando pelo cemitério e chegando até o centro de saúde.  A partir do parque e interligado ás habitações teremos o suporte de ciclovia e sistema de VLT.

Unidades de Habitação Social 

No intuito de manter nossas diretrizes iniciais e não se afastar do formato conhecido das casas açorianas, tentamos manter uma linguagem próxima a já existente nas casas da região, porém com uma releitura modificando um pouco a forma e implantação, até mesmo para aproveitar mais da insolação e ventilação no terreno. Continuamos com a idéia de que a cozinha é um espaço importante da casa, como espaço de estar e convivência.

O terreno escolhido tem uma localização peculiar devido à proximidade da igreja e centro da freguesia, tem uma vista ótima para o mar, chega a aproximadamente 2900m² e atualmente está totalmente plano. Em nosso projeto numa tentativa de amenizar o impacto na paisagem e favorecer a vista das unidades habitacionais vamos reconstruir o relevo, porém vamos fazê-lo através de patamares de até 2,70m de altura.

Uma das dificuldades que encontramos em nosso terreno foi a proximidade do cemitério, que está justamente ao norte desta forma tivemos que trabalhar com uma direção dos módulos a noroeste desviar um pouco a vista, como forma de amenizar esta relação teremos também o parque linear que criará uma barreira visual para este lado.

Planejamos então implantar no terreno dezesseis unidades habitacionais, divididos em quatro grupos de quatro casas. Onde em cada grupo temos três casas para moradores locais e uma para moradores temporários; entre estas uma é totalmente acessível. Tendo no total, quatro unidades acessíveis, oito de dois pavimentos e quatro para participantes dos projetos oferecidos pelo centro.

As unidades são criadas em módulos para que possam ser implantadas em outros terrenos, desta forma elas podem ser reproduzidas tanto como o grupo de quatro unidades quanto como unidade individual, desta forma irá servir como modelo de urbanização para aquela região independentemente do terreno em que serão locadas.

Unidade 1 = área: 64m²

Unidade 2 e 3 = 64m²Unidade 4 = 48m²

Complementando o conjunto teremos um espaço para salão de festas que dará suporte também a caixa d’água, áreas de estar e convivência entre as unidades e equipamentos de uso público como mesas para piquenique, duchas, torneiras e etc.

Formalidade

Em nossos estudos e visitas identificamos como principais características das casas açorianas da freguesia, casas geminadas com plantas retangulares e alongadas compondo uma unidade nas fachadas, esta se reforça principalmente com a seqüência de janelas que formam um ritmo, gerando uma forte ligação da rua com a casa através das aberturas.

Com base nisso começamos a estudar formas com módulos de 4x4m e os compusemos em diferentes níveis para que de determinadas perspectivas o usuário relembrasse a  continuidade das casas açorianas geminadas. Apesar de estarem agora escalonadas e deslocadas, conforme a reconstituição do talude do terreno; assim tentamos criar um novo enquadramento da paisagem da freguesia do ribeirão adaptada a nossa área.

As aberturas serão também pensadas de forma a fazer uma releitura das casas locais, mantendo proximidade na forma e esquadria, porém diversificando no ritmo e composição. Terão papel importante para a ligação com o exterior, como vemos  em nossas referencias.

Fonte: homeandinteriors: located in Los Feliz, an affluent, hilly neighborhood in the Hollywood district of Los Angeles, California, by  Techentin Buckingham Architecture

Fonte: 173 Park Street Residence  designed by Greenwich-based studio Joeb Moore + Partners  (via freshome)

Um elemento que nos pareceu interessante para o conceito de casa modular foram os muxarabis como painéis moveis internos ou externos. Delimitando áreas da casa, são elementos muito interessantes por serem vazados e manterem uma permeabilidade visual e de ventilação, além disso, é um elemento que caracteriza a arquitetura luso-brasileira apesar de sua origem ser árabe.  A seguir temos alguns exemplos:

Fonte: http://www.casosdecasa.com.br/index.php/dicas-uteis/saiba-o-que-e-muxarabi-uma-linda-heranca-da-arquitetura-arabe/

Outra característica que decidimos manter, porém sob outro olhar, foi o telhado que tentamos remeter através de lajes inclinadas de uma água.

Fonte: http://lilianecamargos.blogspot.com/2009/01/casa-goiana.html

Fonte: http://www.innatu.com/

Estudos

Estudo da ideia geral: Desníveis:

(em PDF: Desníveis )

Lançamento de Projeto do Conjunto Habitacional Convívio Açoriano – Elise, Felipe M, Jorge

“Como construir unidades habitacionais de alta tecnologia e baixo custo em uma área histórica como o Ribeirão da Ilha e utilizando tecnologias sustentáveis brasileiras?”

                Durante a escolha e estudo do terreno percebeu-se a grande influência estética e comportamental que a arquitetura colonial tem na freguesia do Ribeirão da Ilha. As residências coloniais possuem relação direta com o espaço público, quase como se a rua fosse o quintal das casas. Em seu interior, a cozinha apresenta grande importância, ela representa o ponto de encontro dos moradores, geralmente é o ambiente mais amplo e possui terraço próprio. Notou-se também a variação de uso dos ambientes em edificações com plantas baixas similares. Em determinadas residências, o mesmo ambiente varia de uso ao longo do dia para atender às necessidades de seus moradores. Quanto aos aspectos formais, o conjunto de edificações apresenta grande uniformidade e continuidade, com ritmo dado pelas portas e janelas com cimalhas coloridas. Além da importância que o complexo colonial tem no Ribeirão da Ilha, pode- se perceber que a relação dos moradores com o mar também deve ser destacada.                           Grande parte dos moradores do Ribeirão, como foi relatado nas etapas anteriores, retira seu sustento das atividades pesqueiras e principalmente a maricultura. Portanto, estes moradores vivem uma intensa relação com o mar, seja para observação das condições climáticas, para vigiar sua produção ou mesmo para o lazer, fazendo com que a maioria deles esteja habituada a estabelecer contato visual com o mar até do interior de sua casa. Quanto ao entorno imediato, o terreno se encontra numa área de encosta onde a mata nativa encontra-se praticamente intocada. A vizinhança consiste em residências de médio poder aquisitivo e todas elas se encontram em níveis mais baixos do que o terreno escolhido. Atualmente o terreno possui acesso pela Servidão Irani Antunes da Cruz, a testada Sul do lote. Vale ressaltar a proximidade do lote com o centro histórico do Ribeirão da Ilha e principalmente com a Igreja Nossa Senhora da Lapa, que pode ser avistada do terreno.

Diretrizes de Projeto (público alvo e estratégia)  

              A partir da observação destes aspectos locais e buscando solucionar a principal questão que dirige o desenvolvimento deste projeto (como construir unidades habitacionais de alta tecnologia e baixo custo em uma área histórica como o Ribeirão da Ilha e utilizando tecnologias sustentáveis brasileiras?) foram definidas as diretrizes.

             Conforme estabelecido na etapa anterior, o conjunto habitacional em questão deverá abrigar famílias de moradores do Ribeirão da Ilha e estudantes envolvidos com a maricultura ou outros aspectos da cultura local que desejem ser inseridos em uma família legitimamente Mané. Para que o conjunto habitacional possa abrigar famílias de tamanhos diferentes, optou-se pela implantação de três tipos de residência, que variam pela área, e podem abrigar famílias com 2 a 6 membros. Quanto aos estudantes, ao contrário do que havia sido definido na proposta anterior, serão abrigados na residência dos moradores nativos do Ribeirão, visto a intenção é inserir os estudantes na cultura local.

         A estratégia de desenvolvimento adotada busca principalmente reproduzir no conjunto habitacional a relação que as casas coloniais do Ribeirão têm com a rua. Não há espaço intermediário entre o “íntimo” da habitação e o “público” da rua, intensificando e incentivando a relação dos moradores com a vizinhança. Desta forma, todas as unidades habitacionais projetadas possuem contato direto com um grande espaço público, onde o morador poderá interagir com a comunidade. Além disso, a organização das residências no lote busca remeter a declividade original do terreno e criar terraços e áreas verdes que tornem o conjunto menos impactante na paisagem, até então intocada.

                A mesma relação entre espaços públicos e privados estabelecida entre a unidade habitacional e as áreas públicas guiou a organização dos espaços internos das residências, motivando o desenvolvimento de grandes áreas de estar (públicas) a partir das quais os demais ambientes se acomodam.

Implantação

           A insolação e ventilação, a vista para o mar e um desenvolvimento vertical que remete ao relevo original foram os principais fatores determinantes da implantação do conjunto habitacional.

Para que todas as unidades habitacionais recebessem a mesma insolação e ventilação, elas foram escalonadas no sentido horizontal. Além disso, o conjunto a maior fachada voltada para Nordeste, para que grande parte dos ambientes internos possa receber insolação durante quase todo o dia e estejam voltados para o vento considerado mais agradável em Florianópolis. Esta orientação também possibilita vista para o mar a partir de duas fachadas de cada unidade habitacional.

Para remeter ao relevo original, que possui certa declividade, as unidades foram escalonadas também verticalmente, fazendo com que a cobertura de uma residência sirva como terraço à residência de cima. Estas coberturas serão tetos jardim que melhoram o conforto térmico das casas ao mesmo tempo em que servem de espaço de convívio para os moradores das casas imediatamente acima

A intenção é de que estes telhados jardim conformem espaços públicos de estar e o principal acesso às unidades habitacionais que se encontram no mesmo nível do terreno.

O estacionamento para carros encontra-se separado das residências, inserindo o conceito de coletividade entre os moradores do conjunto. Uma praça implantada no nível mais baixo do terreno reforça a idéia de coletividade e promove mais uma vez um encontro da comunidade.

Planta Baixa

             Optou-se por desenvolver uma planta-baixa modular que permita com que a unidade habitacional se adéqüe a diversos tipos de família sem encarecer e dificultar o processo construtivo. Obtiveram-se então três variações de planta-baixa que se dão pelo acréscimo de um dormitório na habitação. A maior delas possui dois dormitórios, a média um dormitório e a menor, tipo kitnet, possui estar que funciona como dormitório por meio de seu fechamento com painéis de madeira nas horas de dormir. As residências com dois e um dormitórios também apresentam estar flexível, podendo conter três e dois dormitórios respectivamente.


               Os espaços internos foram organizados a partir de uma grande varanda que também funciona como a circulação principal da unidade habitacional. Uma circulação interna fica como opção ao usuário quando este necessitar maior intimidade.

A cozinha, elemento central na residência colonial, recebe a mesma importância no conjunto habitacional. O ambiente, além de amplo para possibilitar a comunhão da família, também se encontra integrado com a área de estar, favorecendo a interação dos moradores. Além disso, como é habitual na arquitetura colonial, a cozinha também possui acesso direto a um terraço de serviço, facilitando a realização das tarefas domésticas. A área de serviço foi disposta próxima a cozinha, concentrando as áreas de afazeres domésticos. O serviço também tem a finalidade de abrigar as ferramentas de trabalho dos moradores, envolvidos na prática de maricultura.

O banheiro foi disposto de forma que não interferisse na integração das áreas sociais e possibilitasse o acréscimo de “módulos dormitório”.

Desta forma, procurou-se obter uma unidade habitacional que reforça as relações familiares por meio de espaços integrados ao mesmo tempo em que motiva a interação com a vizinhança e a vida em comunidade através de varandas abertas e áreas verdes e terraços coletivos.

Técnicas Sustentáveis

 

  • Visando gerar menos impactos ambientais, o conjunto habitacional será implantado solto do terreno, tornando-o permeável.
  • O teto jardim foi adotado em todas as habitações para melhorar o conforto térmico em seu interior e possibilitar a redução do consumo de energia especialmente com aparelhos de ar condicionado e ventiladores.
  • Como Florianópolis apresenta altos níveis pluviométricos e chuvas bem distribuídas ao longo do ano, a captação de água da chuva possibilita economia de água potável por meio da sua utilização em vasos sanitários e torneiras da rua. A intenção é de que os moradores do conjunto possam interagir diretamente com a água captada, por meio de espelhos d’água e tanques que circundam as unidades habitacionais. Assim, para que a água permaneça limpa para o uso de todos, será necessário que cada morador aprenda a “cuidar” dela, reforçando mais uma vez o conceito de coletividade na comunidade.
  • Aliada ao teto jardim, pretende-se utilizar como vedação OSB (placas de madeira) e EPS (plástico celular rígido), um conjunto de alta inércia térmica, que também favorece o conforto térmico das unidades habitacionais.
  • As áreas de estar abertas terão como proteção solar painéis móveis de bambu, um material abundante na região, que pode ser obtido a baixos custos e que se bem tratado pode durar até 25 anos.

 

Divisão de grupos

O grupo Aram se dividiu (aaaaah!).

Sim, para realizarmos duas propostas distintas para nossas diretrizes. Mas antes completaremos nossa pesquisa com referências de casa modulares, com alternativas tecnológicas interessantes que nos apoiarão nos projetos.

  • Grupo 1: Aline Pires, Carolina Rios, Julia Milan.
  • Grupo 2: Elise Lacerda, Felipe Miranda, Jorge Souza.

Diretrizes

A partir dos questionamentos feitos foram decidas as diretrizes a seguir:

Quanto ao terreno inserido no bairro:

  • Construção de uma via para pedestres e bicicletas que conecta o Conjunto Habitacional proposto com o Horto Florestal, criando um Parque Linear ecológico que sustente a proposta;
  • O centro educacional estará localizado junto ao Horto;
  • Conexão do terreno com a Praça central e a Igreja a partir de Escadas, rampas e/ou elevadores;
  • Polarizador cênico: paisagem não tangível: Fundo da igreja: criação de um local arborizado atrativo aos moradores do bairro;
  • Possível intervenção na área do cemitério do bairro.
Quanto a unidade:
  • Unidades modulares e retangulares;
  •  Possibilidade de ampliação da unidade;
  • Conformidade espacial das casas açorianas: espaço mais importante: cozinha;
  • Trazer melhor condições de iluminação e ventilação às unidades açorianas.